Saturday, 14 October 2017

Sylvia goes to the U.S.A.

Radiolandia #337, 1st October 1960. Sylvia (holding a cigarette in one hand and a coat in the other) listens to Oscar's guitar; the girl in the centre is Laïs who was signed by Philips too. 
Oscar Castro Neves says goodbye to Sylvia Telles in style.

Sylvia Telles flew to New York with Aloysio de Oliveira. They met Adalgisa Colombo, Miss Brazil 1958 who had been living in the USA since she was the runner up to the Miss Universe competition in 1958. She actually married Brazilian diplomat Jackson Flores and had a baby boy. Sylvia & Aloysio also also met orchestra conductor Leo Perachi another expatriate who'd been living in the USA for some time.

They left New York and drove in a car all the way to California which took them 10 days. They made a stop at Las Vegas, Nevada where they paid a visit to Leny Eversong who was the main attraction at the Thunderbird night club. It took them 2 days to get booked to see Leny in action. 

Sylvia in Las Vegas, Nevada; Radiolandia #340, 15 November 1960.

Aloysio de Oliveira, Sylvia, Leny Everson & her husband in Las Vegas.
it took 2 days for Sylvia & Aloysio to be able to get in the Thunderbird to watch Leny Eversong starring the biggest show in town. 
Radiolandia #339, 1st November 1960
Sylvia is dazzled by Hollywood star Roberto Conrad; Laïs who was friends with Sylvia has her first 78 rpm single released by Philips: 'Patinho feio' b/w 'Com você' - Radiolandia # 339, 1st November 1960.  

Sylvia at the cover of Radiolandia #315, 16 April 1960.

Tuesday, 10 October 2017

NEWTON MENDONÇA

Newton Ferreira de Mendonça was born on 14 February 1927, in Rio de Janeiro. He was an Aquarian just like Antonio Carlos Jobim, his best friend, born on 25 February 1927, only 20 days earlier. 

He lived in Porto Alegre-RS and was back in Rio in 1942, when he was 15 years old. He was a classic-trained pianist and joined his childhood friend Tom Jobim circa 1953. They wrote both music and lyrics for seminal songs like 'Desafinado', 'Samba de uma nota só', 'Discussão', 'Meditação' aka 'O amor, o sorriso e a flor' and others.

As his friend Jobim, Newton played piano at night clubs in Rio which was not good for his health. He had a heart attack in 1959, while working at Carrossel. A yearl later, on 22nd November 1960, Newton had a second and fatal heart attack.

Newton Mendonça was a shy type of entertainer. He avoided the spotlight but somehow received Radiolandia's journalist at his home in October 1960 for a chat. Exactly 4 weeks before he died. 

Newton Mendonça at his piano at home. Radiolandia #337, 15 October 1960
Renato (4 years-old), Cirene his missus, Fernando (1 year-old) & Newton (33 years-old).

Radiolandia #343, 1st January 1961; Newton Mendonça died on 22nd November 1960. 

a simple note at 'Correio da Manhã', 24 November 1960, says Newton Mendonça died in the first hours of the day. Newton had played his piano at a night club and had arrived home. He went to the kitchen to prepare a light meal and get to sleep. Suddenly he felt a sharp pain in his chest and it was Death itself that came to fetch him. 

most of Newton Mendonça's photos available publicly were taken a few weeks before his death.
Cirene holds Fernando & Newton holds Renato - 1960. 
an earlier photo of Mendonça's.

Monday, 2 October 2017

Noite Ilustrada & the Brazilian racist society

Noite Ilustrada (Illustrated Night) was singer Mario Filho's pseudonym. As various Black entertainers before him, he was given a racist-tinged name relating to his dark skin. 

Brazilian society has been a racist society since the 17th century when the Portuguese promoted the African slave traffic that dominated Western society for centuries. 

Well, we're still racist with different shades & forms...

This 1962 Radiolandia articles says: A singer who needs to change his name! 


Radiolandia #367, 1st January 1962

Noite Ilustrada's 1961 album released by Mocambo.






Wednesday, 20 September 2017

Gazolina

Antonio Monte de Souza used to work at a gasoline station in Porto Alegre-RS. After knocking off work he used to change into a nice suit and go to Radio Gaúcha to sing at gong shows. People noticed that his clothes reeked of gasoline and that's how he got his nickname. 

In 1953, Antonio up and left Porto Alegre to try his luck in Rio de Janeiro. He went straight to Radio Nacional and asked MC Cesar de Alencar for a chance to sing. 

Nelson Gonçalves took a shine to Antonio and brought him to Sao Paulo where he signed with Radio Record for 7 years.  


'Radiolandia' 15 August 1963.


17.792 - Continental 1960

Escureceu (Talismã-Edmundo Andrade) / Castigou legal (Nancy Wanderley-Newton Ramalho)

Radiolandia #338,  15 October 1960.

Brazilian press usually treated Black people with contempt and derision. This little article on Radiolandia says Gasolina was really thankful to Paulinho Machado de Carvalho the strong-man at Radio & TV Record for having literally saved him from starvation when he signed him up as a singer. 

The magazine goes a little farther on the sterotyping saying Gazolina said: 'I am the poor man's Sammy Davis, Jr. But I assure you I won't be marrying a blonde woman'.  Gazolina meant May Britt the Swedish blonde who married the Black US entertainer. 

Radiolandia #345; Gazolina & Angela Maria in 1961
Radiolandia #359; Paulo Molin & Gazolina in 1961.

Sunday, 6 August 2017

Renata Fronzi & Cesar Ladeira travel the world 1951

'Jornal das Moças' journalist Suzy visits Renata Fronzi at her apartment in Copacabana - who talks about her trip to the USA & Europe she and husband Cesar Ladeira took in the last two months of 1951, before she has another baby. 

'Jornal das Moças' interview Renata Fronzi who shows all the photos she took during her worldwide travel. 
'Jornal das Moças', 3rd January 1952; the couple visited Xochimilco in Mexico, Los Angeles, California, New York. Then they flew to London and Paris. 

Renata Fronzi on Broadway. 'David & Bathsheba' premiered on 10 August 1951, starring Gregory Peck & Susan Hayward. By the looks of Fronzi's clothes this would be November 1951.

Renata went to see Ethel Merman & Paul Lukas in Irving Berlin's 'Call me Madam' at the Imperial Theater on West 45th Street. Fronzi enjoyed it and claimed 'musical comedy is here to stay... musical revue is dead in the US'. 


Renata raves about meeting Carmen Miranda at her house in Hollywood. Cesar Ladeira was the man who concocted the sobriquet 'Pequena Notável' when he & Miss Miranda worked at Radio Mayrink Veiga in the 1930s but Fronzi herself had never had the pleasure to meet the great artist. She was impressed and said Carmen was an agreeable person and the household she shared with Dave Sebastian was a happy place.

Carmen shows Suzy, a 'Jornal das Moças' journalist a large painting of herself. 
Fronzi, heart-throb Fernando Lamas & Cesar Ladeira in Buenos Aires

Friday, 26 May 2017

Aylce Chaves, song-writer & journalist


Aylce Chaves preferiu o samba

'Revista da Semana', 6 Abril 1940, por Francisco Galvão.

Assistia certa razão a Noël Rosa ao afirmar que o cartaz do artista do radio vem do compositor. Ary Barroso tem feito muita gente. Ataulpho Alves também.

Apenas queremos revelar uma das compositoras mais queridas do Rio, cujos sambas e marchas deliciaram os homens agitados da Broadway na voz bonita de Carmen Miranda. Aylce Chaves na idade em que as garota namoram e falam de artistas-de-cinema prefere fazer musica popular, fazendo dupla com seu irmão Acyr

O reporter desce na Tijuca. A rua José Hygino, elegante e discreta, esconde entre gardênias a casa da artista. Vamos descobrí-la na sua vida interior, ao lado de seu inseparável violão, preparando uma marchina. 

Simples, dona de uma graça ingênua e doce, abre-se em confidências sobre o seu interesse pelo radio. 

- Terminava o meu curso no Colédio D. Pedro II, quando fiz o primeiro samba. Lembro-me que se chamava 'Chegou'. Cantei para as colegas; gostaram. Gostaram em verdade, ou apenas estimulariam uma principiante? A dúvida esteve comigo durante muito tempo. Fui das mais sinceras 'fãs' de Luiz Barbosa. E esse fato, talvez, concorresse muito para meu estímulo. Desejava melhorar o que fazia, conseguir alguma coisa bela, para que ele a interpretasse. 

- Não sou profissional. Vivo de outras coisas. Tenho de que viver. Assim sendo, prefiro passar sem tomar parte na corrida. Tenho algumas marchas carnavalescas, mas acho mais natural que o campo fique mais vazio para quem vive da música da terra. Escrevo por fatalismo; destino talvez. Há muita gente que faz o mesmo. Não acha?

Aylce atende um telefonema de Neyde Martins. Volta com um sorriso brejeiro nos lábios.

- Que mais gosta do que tem feito?

- Gosto muito de 'Batucada do meu coração' e da rumba 'Yoyô já quer', do repertório de Carmen Miranda. Aprecio também 'Escravo da lua', criação de Manuel ReisNeyde Martins interpretou um samba 'Tempo feliz que passou'. Linda Baptista canta uma marcha das que mais quero 'Boas Festas'. 

- Quais são os seus artistas favoritos?

- Carmen Miranda, Linda Baptista e, do naipe masculino, Carlos Galhardo a quem dei 'A cor dos teus olhos'. A sua voz é um encantamento. 

- Como escreve?

- Quando a inspiração quer. Muitas vezes num ônibus, na rua, no cinema, a melodia chega. Entra sem pedir licença, sem bater palmas, como se fora velha conhecida. Fica nos meus ouvidos; permanece horas a fio no meu pensamento. Ao chegar em casa, tento escrevê-la. E o samba nasce. O samba, a música mais linda do mundo. 

- Carioca teria de querer bem ao samba. 

- Paulista que sou. Creia que adoro. Fico revoltada quando percebo a campanha impiedosa que fazem contra ele. Os falhados gostam de combatê-lo. Mas ele vai vencendo. Nova York começou a sentir melhor o Brasil quando notou o encantamento melódico de Carmen Miranda. Buenos Aires estreitou mais as suas relações de estima, depois que o samba começou a fazer parte integrante de seus programas radiofônicos. E a festa mais bonita do mundo, o Carnaval do Rio, o que seria sem a música que vem dos morros, que flui da terra, que desce para a cidade enfeitiçando a gente nos cordões ou nas batalhas de confetti. Gosto tanto do samba que deixei de estudar medicina por sua causa. 

Meu pai, que descansa, hoje, dos seus labores do exército, queria. Eu também desejava ser colega de Alberto Ribeiro na ciência de Hypocrates. Mas depois comecei a achar o curso dos mais ásperos. Teria de estudar anatomia e conviver com esqueletos. Compor seria mais interessante. Comecei a escrever e até agora não senti a menor vaidade. Escrevo sambas e marchas como poderia, perfeitamente ser oficial administrativo de um ministério qualquer ou especialista de oftalmologia. Foi melhor; assim deixei de concorrer na vida pública com os homens. 

 Aylce Chaves at 'Revista da Semana'.
Aylce Chaves e Francisco Galvão, chronista da 'Revista da Semana'.

Aylce Chaves no 'Diário da Noite' de 27 Janeiro 1952.

Há certos nomes que se prestam a confusões. 'Aylce', embora sonoro, também poderia pertencer a um barbado. Mas alguém nos informou de pronto que o 'barbado' é uma loura bonita, jovem e 100% feminina. 

Aylce que já escreveu versos e melodias que ultrapassam a casa dos quinhentos, um dia foi flexada por Cupido. Não foi correspondida e entregou-se ao desânimo. O travesso menino fez com que a garota deixasse de compor. Os dias se foram passando e a reação se foi firmando no íntimo da lourinha. Pensou, refletiu e voltou triunfalmente com 'Fracassei', gravado por Heleninha Costa e que tanto sucesso tem obtido. A melodia popular é de autoria de Aylce Chaves em parceria com Peterpan

Autêntica menina-prodigio, sua 1a. composição foi lançada quando contava com 10 anos de idade! Foi Alzirinha Camargo quem a lançou. Todos estamos lembrados daquele samba gostoso que se intitula: 'Não te dou perdão'. 

A lourinha foi crescendo e com ela todos seus sucessos musicais. Em poucos anos conseguiu gravar nada menos do que 20 composições. 

Aylce Chaves também aderiu aos festejos de Momo. 'Nome manchado' é um samba carnavalesco que Zilah Fonseca gravou. 'Segue' foi gravado por Ângela Maria, 'Que bom será' por Dolores Duran e 'Não quero lembrar' por Zezé Gonzaga, nomes que o publico ouvinte aplaude sempre. 

Em 7 anos de radio, Aylce conseguiu abiscoitar cerca de 80 mil cruzeiros. É preciso que se diga que Sátiro de Melo, um dos maiorais em questão de partituras sempre acompanhou essa garota-revelação. Sátiro é 'macaco-velho' e sabe o que faz. 

Vai de vento em pôpa a vitória da loura de Itapetininga-SP. É o exemplo de força de vontade. É espelho em que se devem mirar todos que não tiveram oportunidade radiofônica. Parabéns, Aylce Chaves, já que você é o símbolo de perseverança. 

texto de Alcy Leal para o Diário da Noite.


dois instantâneos da compositora Aylce Chaves.
Aylce Chaves mostra todo seu charme na 'night' do Rio. 'Diário da Noite', 24 Janeiro 1952. 
Aylce Chaves often wrote for 'Carioca'; this one was written in early 1952, is about Angela Maria who recorded 'Segue' written by Aylce and Paulo Marques. 

Angela Maria começou a cantar ainda criança em festas escolares e familiares. Um dia resolveu enfrentar o microfone e foi ao ‘Pescando estrelas’, programa de Arnaldo Amaral, tirou o primeiro lugar e logo começou a cantar numa emissora carioca. Logo veio proposta de night-clubs até o dia que Jayme Moreira Filho, locutor da Radio Mayrink Veiga, em uma de suas noitadas a ouviu, entusiasmou-se e levou-a à PRA-9 (que era seu grande sonho).

Ainda cantando em boites, foi ouvida extasiado por Erasmo Silva, divulgador de discos, que a levou a um teste na RCA Victor, tendo sido aprovada por Vittorio Latari, que a contratou e supervisionou seu primeiro 78 rpm com 2 sambas: ‘Sou feliz’ (Augusto Mesquita-Ary Monteiro) e ‘Quando alguém vai embora’ (Cyro Monteiro-Dias da Cruz).

O disco não fez sucesso, mas o 2º lançamento subiu ao 1º posto da Parada de Sucesso e introduziu a nova cantora ao Brasil: ‘Não tenho você’ (Paulo Marques-Ary Monteiro) e o bolero ‘Sabes mentir’, de Othon Russo, compositor novo de muito talento. 

Para o Carnaval 1952, Angela gravou 2 discos: os sambas  ‘Meu destino é sofrer’ (Antonio Bichara-Luiz Soberano) e ‘Renúnciei’ (Luiz de França-Cicero Nunes); mais a marcha ‘Balança mas não cai’ (Chocolate-Lourival Faissal) e o samba ‘Segue’ (Paulo Marques-Aylce Chaves), que já desponta como sucesso. 

Aylce Chaves writes about her friend Linda Rodrigues for 'Carioca' in 1952

Aylce Chaves escreve artigo na 'Gazeta de Notícias' de 14 Setembro 1956, homenageando o Marechal Teixeira Lott que abortou uma tentativa de golpe militar em 11 Novembro 1955, onde forças anti-democráticas tentavam impedir a posse de Juscelino Kubitschek, presidente eleito pelo voto popular em 2 Outubro 1955. Aylce tornou-se jornalista identificada com o PTB, partido politico que se tornou o maior do Brasil até ser desbandado pelo Golpe Militar de 1964.